Clima ufanista marca Fashion Rio, que começa hoje e celebra escolha da cidade como sede dos Jogos Olímpicos

 

Ufanismo e euforia, com forte tom institucional, embalam a temporada outono-inverno 2010 do Fashion Rio, que será aberta hoje e vai até quarta.
A começar pelo próprio tema da semana de moda, “Rio Olímpico e Maravilhoso”, que festeja a escolha da cidade para sediar a Olimpíada de 2016.
As homenagens se espalham pelas salas do evento, como na mostra “Hoje Mais Sete”, do fotógrafo Gabriel Mendes, com imagens de atletas e outras personalidades, que contam o que farão nos próximos sete anos até o início da Olimpíada. Entre os fotografados, estão o governador do Estado, Sérgio Cabral, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes (ambos do PMDB).
Até mesmo a festa de abertura, com show de Gilberto Gil e Jaques Morelenbaum, recebeu a bênção oficial. Prevista para ontem, ela seria realizada no Palácio das Laranjeiras, residência do governador.
Para o empresário Paulo Borges, diretor da São Paulo Fashion Week e organizador do Fashion Rio desde o ano passado, a semana de moda carioca não virou uma nova linha de frente da propaganda institucional e política no Rio. “Não é o nosso objetivo, mesmo porque nem o Rio nem as Olimpíadas precisam disso”, responde.
O empresário, porém, diz não se incomodar com o fato de que o evento possa ser utilizado politicamente como propaganda. “Em defesa da moda, a nossa função é criar essa relação com a política, não importa que partido esteja no poder. A moda tem que perder o medo da política, em benefício de seu próprio futuro”, afirma.
Não param por aí as homenagens à capital carioca no Fashion-Rio, que tem a Firjan (Federação das Indústrias do do Rio de Janeiro) como um dos principais patrocinadores.
O evento também promoverá o lançamento do projeto do filme “Rio, Eu Te Amo” e uma exposição de fotos de Ipanema feitas pelo estilista Oskar Metsavaht, da Osklen. “O Rio exprime muito mais o Brasil, enquanto São Paulo caracteriza a ligação do país com o mundo”, distingue Borges.
A semana de moda será realizada nos armazéns 2, 3 e 4 do porto do Rio, recém-reformados para abrigar eventos culturais. Nos armazéns 5 e 6, acontecerá a feira de negócios Rio-à-Porter.
A temporada de seis dias terá desfiles de 27 grifes. Cinco marcas estreiam nas passarelas do Fashion Rio: Andrea Marques, Nica Kessler, Lucas Nascimento, Patachou e New Order, esta especializada em acessórios (como bolsas e sapatos).
O evento paralelo Rio Moda Hype, de jovens estilistas, foi extinto -dele, apenas a marca R. Groove conseguiu migrar para o evento principal. Duas grifes deixam de desfilar nesta temporada: Carlos Tufvesson e Tessutti. A marca infantil Lilica Ripilica e a grife Sta. Ephigênia abandonaram o Fashion Rio.
São esperados cerca de 55 jornalistas e 25 compradores estrangeiros -todos convidados pelo Fashion Rio e pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção). A maioria deles deve permanecer no país para a SPFW (entre os dias 17 e 22).
Embora Borges diagnostique um aumento do interesse pela moda do Brasil por parte dos estrangeiros, há raros jornalistas do primeiro time das Redações na lista de convidados. “Se não teremos o primeiro time é porque a indústria de moda brasileira ainda não tem relevância comercial internacional. Que grande negócio de moda brasileiro existe no mundo?”, justifica o empresário.

com VIVIAN WHITEMAN

Folha de São Paulo – Ilustrada – sexta-feira 08/01/2010

Última Moda
ALCINO LEITE NETO

.

.

.

Anúncios