Em sua 36ª edição, o Senac Moda Informação, realizado nessa quinta-feira, dia 30 de setembro de 2010, apresentou a confirmação das tendências de moda para o inverno 2011.Reunindo 1500 profissionais da indústria de confecção brasileira, diversos consultores de moda anteciparam o que já está nas vitrines de inverno na Europa e nos Estados Unidos para os micro e médio empresários que preparam suas coleções.Com explicações bastante didáticas, e, principalmente, focadas nas mudanças de modelagens e acabamentos do verão para o inverno 2011, as apresentações foram resultado de pesquisas práticas sobre tendências realizadas em cidades como Paris, Milão, Nova York, Londres e Barcelona.Para facilitar a apreensão do que tem sido feito lá fora, foram exibidas em araras peças adquiridas recentemente em lojas e fast fashions destas cidades para inspirar os produtores e empresários que estiveram no evento.Confira os pontos fortes da estação identificados pelos pesquisadores:

Moda Feminina

Longa vida a Woodstock: os anos 1970 mal saíram das passarelas e já estão nas vitrines das principais lojas europeias. Nos jeans, os primeiros sinais aparecem nas modelagens das calças, que em vez de ultra skinny, têm cada vez mais aparecido em versões flare (uma boca de sino com cintura mais alta, e menos exagerada na transição das pernas para a barra). Outra novidade é a retomada da calça jogging, que, mais soltinha e cortada no meio da canela, lembra as calças de corrida dos anos 1970 – que no Brasil ganharam fama com Sônia Braga na novela Dancin’ Days. Peças de chiffon, cashmere e mix de estampas florais também aparecem em grande parte das vitrines.

Com cinturas mais altas e barras levemente abertas os modelos flare já aparecem nas passarelas
Com cinturas mais altas e barras levemente abertas os modelos flare já aparecem nas passarelas

  Do exército para a aeronáutica: o militar, que foi amplamente usado na estação passada, não sai de linha, mas, da versão exército com ombros bastante marcados, passa para a versão aeronáutica. As apostas agora são as jaquetas perfecto revestidas com peles, especialmente as que imitam ovelhas e raposas, lembrando o visual de Tom Cruise no filme Top Gun (1986).

Tom Cruise, em Top Gun, e o modelo aviador da Top Shop.
Tom Cruise, em Top Gun, e o modelo aviador da Top Shop.

  Preppy-geek: outra aposta é no estilo preppy, com cardigans, malhas e jaquetas college, mas com um leve toque britânico, seja na escolha do xadrez como estampa – que vem forte na sua versão gingham, à la Lady Di -, nos cardigans de lã e moletom com decotes mais profundos ou nas pólos femininas – que, neste inverno, aparecem justas e alongadas.A alfaitaria, que teve presença bastante forte no inverno 2010, fica mais light em 2011, onde as peças mais confortáveis, feitas de tricô, malha e ponto roma, ganham espaço.

Vivienne Westwood Red Label
Vivienne Westwood Red Label

  Ultrafeminino: apesar da força da influência masculina, o estilo ultrafeminino ainda continua em alta em 2011 com saias godês, rodadas ou tulipas, estamparias vintage ou poás. O cocktail dress ressurge em comprimentos maiores, abaixo ou na altura dos joelhos, e ganha força com aplicação de pedrarias e bordados próximos ao decote.Vestidos e saias em silhuetas trapézio, com tecidos armados e ares Mod anos 1960 – que foram apostas recentes no desfile da Miu Miu, por exemplo, também têm seu espaço.

Releitura do vestido trapézio do desfile da Miu Miu
Releitura do vestido trapézio do desfile da Miu Miu

 Sensual: apesar de não terem surgido com tanta força nos últimos desfiles, peças sensuais continuam sendo a preferência nacional. No inverno, elas ganham um toque boho. Para tanto,valem as estampas animais, os vestidos justos estruturados, apliques bordados e um certo barroquismo presente em babados, rendas, tules e veludos molhados e couros.

O sensual-hippie de Roberto Cavalli
O sensual-hippie de Roberto Cavalli


Moda masculina

O inverno masculino estará mais justo. E curto. Inspiradas na estética dos dândis franceses, as peças têm forte influência da alfaiataria, mas aparecem em versões cropped e modelagens mais sequinhas. Os ternos estão mais ajustados, as calças mais curtas e até mesmo as gravatas mais finas.

James Long, Jil Sander e Ermenegildo Zegna
James Long, Jil Sander e Ermenegildo Zegna

Jeans: a modelagem também é slim, mais ajustada a corpo, e os bolsos são baixos e deslocados. Nas lavagens, a aposta é ser clean e dar espaço aos acabamentos resinados, que, dependendo das proporções, deixam o tecido com aquele aspecto de couro. Em menores proporções, aparecerão também as calças com modelagens carrots, com ganchos baixos e mais justas nas pernas, e modelos superskinny para os mais modernos.Mod: a estética Mod também entra para o guarda-roupa masculino com  cardigans de decotes profundos e padronagens nórdicas. Texturas, patchworks e tecidos que valorizam o conforto e aconchego, como tricôs e moletons, vêm com força, principalmente combinados com peças de alfaiataria.Pop Art: em uma outra corrente, ainda mais jovem, a influência fica por conta da estética dos super-heróis com camisetas ajustadas ao corpo, muitas vezes, por meio da incorporação de elastano ao algodão e mangas canudo. Na cartela de cores, entram as cores primárias vibrantes e fazem contraposição aos tons neutros de azul marinho, camelo e preto presentes nas peças que seguem o Mod.

.

.

.

Anúncios